A Importância da Camada de Enlace para uma Rede OSPF

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

errosNo primeiro erro mostrei a importância do modelo hierárquico de redes em uma rede OSPF. Observamos que a implementação do modelo, ajuda na organização das áreas e evita futuros problemas de redes, como uma divisão inadequada de uma área OSPF.

A organização de uma rede é fundamental, pois assim o administrador de redes pode ter um melhor controle e resolver os problemas de forma mais rápida. Não saber como funciona a rede que você administra é um erro.

Por isso, estou aqui para compartilhar como podemos estar organizando nossa rede OSPF da melhor forma possível, evitando futuros problemas.

O segundo problema fala exatamente sobre conhecer sua rede. Ao implantar o protocolo OSPF, você deve conhecer bem os equipamentos que estão sendo utilizados na camada de enlace.

A camada 2 ou camada de enlace de dados descreve a comunicação padrão realizada em dispositivos localizados em um mesmo segmento de rede.

Saiba mais em um artigo disponível no blog:

Entendendo as principais camadas do modelo OSI de forma simples e rápida.

Obs: É de extrema importância que você entenda o Modelo OSI para continuarmos.

Rede cabeada ou sem fio?

Uma coisa importante que aprendi trabalhando em um provedor de internet, utilizando o protocolo o OSPF, é que tudo depende do enlace para o roteador continuar vizinho e mandando pacotes de atualização, como pacotes Hello.

Como você deve ter visto através do Guia Completo sobre OSPF, disponível no blog, o Intervalo Hello é um espaço definido de tempo usado pelos roteadores OSPF para enviar mensagens Hello, esperando uma resposta vinda do vizinho.

Quando o roteador destinatário não responde um Hello do vizinho durante um determinado espaço de tempo, definido pelo intervalo morto, ele acredita que o vizinho não seja mais alcançável, marcando o atual roteador silencioso como “down” em sua tabela de vizinhos e converge à rede.

Na prática, ocorre muito quando temos problemas no enlace que faz ligação de um vizinho com o outro. No caso de uma rede cabeada, quando ocorre alguma oscilação de porta, o vizinho perde contato e marca o roteador silencioso como “down”, ou seja, indisponível.

Os outros roteadores da rede recebem a informação que o vizinho encontra-se indisponível e então enviam as novas atualizações de rota, fazendo com que seja utilizado outro caminho de redundância.

Isso é um problema quando a rede não tem redundância. Devemos pensar sempre em um caminho alternativo, pois por mais que o enlace principal quase não tenha falhas, um dia pode ocorrer um problema.

Quando o vizinho perde conexão com outro vizinho OSPF, podemos identificar isso facilmente no log do roteador.

Isso ocasiona uma queda muito rápida na conexão do cliente que, muitas vezes, não são apresentadas nos gráficos de monitoramento de consumo.

O problema é que o cliente liga informando intermitências no circuito, você verifica o gráfico de consumo e não encontra nenhuma queda. Porém, quando analisamos o log do roteador, encontramos várias quedas do OSPF.

Normalmente, o vizinho deixa de se comunicar com outro por diversos motivos, e marca aquele vizinho como “down”, conforme foi explicado anteriormente.

Muita das vezes, isso ocorre por conta de um problema no enlace.

Em uma rede cabeada, por exemplo, uma oscilação de porta ou problemas de cabo no link principal pode ocasionar uma intermitência, fazendo com que o vizinho OSPF identifique rapidamente e já altere as rotas enviando atualizações para os outros vizinhos.

Quando o circuito é normalizado, o vizinho OSPF leva um pequeno espaço de tempo para atualizar as rotas e mandar as atualizações de estado para os outros vizinhos.

O problema é que dependendo do tamanho da rede e a duração da oscilação de porta, o vizinho leva um tempo para atualizar os outros vizinhos, ou seja, em alguns momentos os usuários da rede notarão indisponibilidades no circuito.

Precisamos ficar atentos com as oscilações de portas e problemas de cabo, principalmente em uma rede de enlace de rádio frequência, pois focamos muito no rádio, enquanto o problema pode ser na conexão via cabo do rádio com o roteador.

Normalmente, quando recebemos um chamado, analisamos o enlace de rádio. Não havendo nenhum problema de cabo na conexão do rádio com o roteador, podemos verificar as seguintes opções abaixo que também faz um vizinho ficar “down” em uma rede de rádio frequência:

A primeira coisa que você deve observar é o Multicast do rádio. Como você deve ter visto no Guia Completo sobre OSPF, o protocolo trabalha com o Multicast. Você deve verificar sempre se o rádio encontra-se com essa opção habilitada, principalmente nos rádios 5.8 GHz, como os da fabricante Ubiquiti, que tem essa opção nas configurações do rádio.

A segunda coisa que você deve observar é a interferência. Caso o enlace esteja com bastante interferência, pode acontecer de o vizinho ficar indisponível várias vezes. Isso não é tão simples de ser notado, pois encontrei, muitas vezes, enlaces que informavam não estar com interferência, mas quando se realizava um teste de banda, apresentava problemas no envio e recebimento (TX e RX).

Se tivermos um enlace com problema para enviar ou receber, por conta de interferência, com certeza teremos problema de OSPF também.

A terceira coisa que você deve observar é o alinhamento do rádio. Quando trabalhamos com rádio frequência sabemos que alinhamento é quase tudo. Se o enlace estiver mal alinhado, consequentemente, o sinal não será dos melhores e teremos problemas futuros, como interferência e/ou obstrução de visada.

Um enlace mal alinhado ou uma obstrução de visada aumenta o nível de interferência e consequentemente faz com que o vizinho perca contato com o outro vizinho OSPF.

O vizinho pode perder contato com outro vizinho OSPF, ainda que não ocorra uma indisponibilidade no circuito, ou seja, mesmo que não aconteça uma indisponibilidade por conta de interferência, podemos ter problemas com o vizinho OSPF.

Vimos que o OSPF depende muito do enlace também, por isso é importante conhecer os equipamentos, monitorar corretamente a rede, pois os problemas nem sempre são visíveis e fáceis de serem resolvidos.

Não deixe de enviar suas dúvidas nos comentários abaixo. Terei o prazer em responder e ajudar.

Muito obrigado!

Thiago Póvoa

Thiago C. Póvoa

Formado em Gestão da Tecnologia da Informação. Busca, através do blog, colaborar com profissionais da área, compartilhando conhecimento. Iniciou sua carreira em um provedor de internet, especialista em serviços de telecomunicações, onde obteve bastante experiência em Administração de Redes.